Caso Abdelmassih: O médico estuprador

“Roger Abdelmassih, 65, o especialista em reprodução in vitro mais conhecido no país, foi indiciado na manhã desta terça (23) pela Polícia Civil de São Paulo sob a acusação de estupro e atentado violento ao pudor. Mais de 60 pacientes acusam-no de abuso sexual.”

Veja a cobertura completa do caso aqui, que também é a fonte dos recortes apresentados.

cretino

Roger Abdelmassih não é apenas um tarado cheio de dinheiro protegido por uma fortuna e uma coleção de rabos presos, ele é um médico pioneiro e respeitado em todo o mundo por sua carreira brilhante. E acima de tudo, o cretino é muito esperto.

Como muitos estupradores, Abdelmassih sabe como se aproveitar do medo e do horror de uma mulher. Ele usa de todo o seu poder e prestígio para manter suas vítimas caladas e vulneráveis, e isso só é possível porque as mulheres já são inferiorizadas normalmente.

As mulheres que procuram a clínica de fertilização do Dr. Abdelmassih sonham com a maternidade, estão no seu momento mais delicado e investem pesado para isso – porque podem. A maioria dos abusos cometidos pelo médico ocorreu no momento pós-sedação, em que as mulheres se encontravam absolutamente indefesas e confusas.

“Acordando, ainda grogue, vi que eu estava com o pênis do doutor na mão. Tentei me levantar, cheguei a sentar na maca. Aí, o dr. Roger abaixou o jaleco, disse ‘calma, calma, calma’ e saiu da sala. E fui chorando ao encontro do meu marido, que aguardava na recepção da clínica.” Depoimento de Ivanilde Serebrenic

“[Ao acordar da sedação para retirada de óvulos] ele me deu um abraço e perguntou se podia me dar um beijo. Quando dei o rosto, ele veio com a língua e eu gritei: ’Para com isso, para!’. E ele disse: “Vai ser bom para você, você precisa relaxar.” Relato de Crystiane Souza

O quanto relaxante pode ser o beijo forçado de um velho violento? Abdelmassih sabe que as mulheres não desejam o contato sexual com ele, mas também se acha no direito de abusar delas apenas por serem mulheres. Ele sabe que sairá impune, por isso intimida suas vítimas e pede para que fiquem calmas, para que deixem o processo fluir já que é bastante comum sofrer abuso.

“Sob efeito de medicamentos e se sentindo frágil, sem forças, a paciente não pôde reagir quando o médico Roger Abdelmassih, 65, aproximou-se, levantou a camisola dela, abaixou a sua calça, pôs o pênis para fora e a estuprou. ” Sobre depoimento de uma paciente que não quis se identificar.

nojo

O mais engraçado nessa história é que acusam o médico de mais de 60 “abusos”, porém apenas um “estupro”. Estupro no caso seria apenas penetração, todo o restante do comportamento sexual violento não figura estupro algum.

“[O médico] passou a mão nos meus seios, na minha vagina e chegou a colocar o pênis para fora [da calça]. Graças a Deus neste momento alguém tentou entrar no quarto. Ele me soltou e corri para o banheiro. Fiquei lá, chorando.”

Monika

Monika

Porque chorar e não acabar com a raça do infeliz? O próprio médico usou em sua defesa o argumento de que as mulheres retornavam ao seu consultório, questionando “se você fosse vítima de um abuso, voltaria ao meu consultório?”. É conveniente acreditar que mulheres poderiam simplesmente reagir e abandonar o tratamento dos seus sonhos pelo qual pagaram muito dinheiro, ignorando toda a pressão que sofrem em uma situação como essa. Mesmo assim, algumas mulheres não suportaram e deixaram de freqüentar a clínica.

“[…]contei ao meu marido, que não acreditou. Ele disse: “A gente tem muito dinheiro lá [na clínica] e tem um objetivo, que é ter uma filha. Você é descolada, saberá se virar bem,” contou Monika Bartkevitch.

Monika não só sofreu nas mãos do médico estuprador, como também foi humilhada e acabou se separando de um marido machista, que por acaso pertencia ao meio médico e tinha medo de denunciar o “colega”.

“[…]ainda tinha de enfrentar familiares e amigos que perguntavam se eu havia dado abertura. Isso quase me deixou louca. Eu me perguntava, será que fiz algo errado?”

Culpe a vítima. Culpe a mãe. Culpe a mulher, a vagabunda eterna. Um estuprador nojento ataca uma mulher e ainda a culpam por não ter conseguido se defender, enchem-na de interrogatórios humilhantes e a fazem reviver cada momento de sofrimento procurando alguma evidência que a torne suja e imoral. Aliás, esta é uma grande arma do Dr. Abdelmassih, ele sabe que a pressão da imprensa, da justiça e de todo o público obrigarão suas vítimas a um constrangimento contínuo e desgastante.

“Neste último mês passei por momentos horríveis, pois tive que falar com várias pessoas da imprensa e relatar com todos os detalhes para as autoridades.

ivanilde[4]

Ivanilde

Uma mulher que sofreu abuso, que foi tocada contra sua vontade por um homem, é vista como cúmplice e desafiada a confirmar sua história de horror milhares de vezes. Ivanilde, Crystiane e Monika são mulheres muito corajosas, que saíram do anonimato e vão enfrentar seu estuprador na justiça. Elas querem inspirar as outras 58 mulheres a fazer o mesmo, mas sabem que tomar a decisão de se expor publicamente em um caso como esse ainda é assustador para uma mulher. Nenhuma delas teria aparecido para depor se alguém não tivesse tomado a iniciativa, pois denunciar um homem poderoso representa um risco constante de derrota e mais humilhação.

“Abdelmassih já atribuiu as acusações a um complô de médicos concorrentes, a uma campanha mobilizada pela internet por uma das ex-pacientes, às “alucinações sexuais” por causa do efeito da anestesia, às fofocas e mentiras e agora à frustração de mulheres que passaram pela clínica.”

O argumento de que as mulheres teriam ficado frustradas por não engravidar já é totalmente inválido, porque em muitos dos casos a fertilização teve sucesso. Os anestesistas confirmaram que as alucinações sexuais não eram possíveis e parece que 61 mulheres não relatariam abusos por causa de um complô de médicos. O canalha é cara-de-pau.

Abdelmassih_Lima_Vanni2_thumb[5]

O monstro e seus comparsas, advogados do diabo

Apesar de todos os indícios, o monstro será defendido na justiça por dois advogados criminalistas ultra respeitados. Abdelmassih é um doutorzinho de merda escondido atrás de muito corporativismo e pronto para humilhar pela segunda vez todas as mulheres que estuprou. Não tenho dúvidas de que perante o juiz não faltarão argumentos para retratar as mulheres como verdadeiras “vadias”, culpadas pelos seus corpos libidinosos e por não carregarem uma Glock no bolso quando vão até a clínica de fertilização.

Desejo que essas mulheres agüentem firmes e acabem com o desgraçado, façam isso por elas mesmas e por todas as outras. Não é por acaso que os índices de estupro ainda são gigantescos, que ainda temos que temer pela nossa integridade física cada vez que saímos de casa, que até mesmo em nossos lares somos vítimas do abuso, que nos culpam pela violência que sofremos e que tememos a figura de um homem poderoso que toma o direito sobre nossos próprios corpos e nos invade brutalmente.

Reagir é a regra, lembrem-se que estamos nos defendendo, e para isso VALE TUDO (até a Glock na clínica não é uma má idéia).

E é claro, terei minha própria visão reforçada quando entre os termos mais procurados do meu blog eu encontrar “vídeos de estupro”, “mulheres sendo estupradas”, “vadias sendo estupradas”. Acontecerá, acredite.

Anúncios

, , , , , , , , , , , ,

  1. #1 por Camila em 14/08/2009 - 23:35

    Ai, Cely, este caso é horrível mesmo…
    E a forma como os crimes sexuais são tratados num país patriarcal como o Brasil só encoraja os machos a continuar abusando e violentando, afinal, eles podem.

  2. #2 por Andre em 18/08/2009 - 19:21

    Em resposta à Camila. Não é preciso ser estuprador para ser macho. O macho deve ser aquele que defende a fêmea. Nem todo homem vê uma mulher como simples objeto par a satisfaçã de seus desejos pervertidos e egoístas. Pense bem,antes de generalizar. Nem tomo homem é monstro.

    • #3 por whothehelliscely em 19/08/2009 - 12:18

      André, nenhuma mulher precisa que um homem a defenda. As mulheres é que precisam se defender, não queremos heróis. Por outro lado, se você quis dizer que alguns homens defendem a causa das mulheres, tudo bem, não há nada de errado nisso.

      E bom, pelo menos eu não uso a palavra “machos” pra me referir à todos os homens, na verdade eu uso “macho” quando quero descrever os homens machistas. Até cito isso no post da visão sobre feminismo, e acredito que a Camila tenha usado nesse sentido.

      Abraços

  3. #4 por m.santos em 19/08/2009 - 15:00

    queria saber se a esposa,filha ou irmã destes advogados tivese passado pela mão deste monstro o que eles iriam fazer.Este médico é um profissional mas de bicho não de cerumanos nós mulheres não devemos nos calar é reagir pois só assim seremos respeitadas.

    • #5 por whothehelliscely em 19/08/2009 - 15:12

      É isso mesmo Michele. “O que me preocupa não é o grito dos maus, mas o silêncio dos bons.”

      Mulheres, resistam!

  4. #6 por Lúcia em 20/08/2009 - 14:04

    Espero que a justiça se cumpra, pois este monstro tem que pagar por todos os seus crimes, ele é simplesmente um marginal da pior espécie um covarde, tem que tiralo totalmente do meio da sociedade, não podemos chamar um animal de médico!!!

  5. #7 por EFJ em 22/08/2009 - 11:21

    Creio que o Sr.Abdelmassih necessita ser castrado.Nos casos de outros estupradores,que não se valem de anestésicos,precisam atacar mulheres corajosas que tenham o sangue frio para furar os olhos de seus algozes no momento do ataque.Falo sério.Temos dedos e podemos usá-los.Creio em Deus,porém os monstros não.

    • #8 por whothehelliscely em 26/08/2009 - 11:51

      Seria ótimo se todas as mulheres revidassem ataques sexuais com toda a violência que merecem, mas infelizmente sofremos com uma educação que nos enche de medo e receio e castra nossos impulsos.

      Devemos desconstruir esse condicionamento e REAGIR!

  6. #9 por Ivonete em 23/08/2009 - 19:22

    Li em uma reportagem da revista Caras que esse “médico” não permitia que sua mulher e filha fossem em consultas médicas desacompanhadas, na ocasião não se falava das acusações sobre ele.
    Muito estranho ainda mais vindo de um medico.

    • #10 por whothehelliscely em 26/08/2009 - 11:48

      O clássico comportamento do machista, as mulheres próximas devem ser castradas e protegidas como santas assexuadas, enquanto todas as outras são vagabundas que merecem ser fodidas.

  7. #11 por RAQUEL ALVES em 24/08/2009 - 17:38

    É O FIM DO MUNDO, UM HOMEM SEM CARATER, DESEJO QUE ELE TENHA UMA RESPOSTA DA JUSTIÇA SIM! QUE NÃO FIQUE SÓ NO BLA BLA BLA , ESTE MEDICO É UM MONSTRO PSICOPATA, E TENHO CERTEZA QUE A LOUCURA DELE
    SE VOLARÁ CONTRA ELE O ATORMENTANDO, O FAZENDO CAIR NAS SUAS GARRAS.
    COISAS ASSIM SEMPRE TERÃO RSPOSTA APENAS AGUARDEMOS. SEJAM FORTES
    MULHERES.

  8. #12 por Lio em 26/08/2009 - 20:20

    Aposto 5 reais que ele sai impune. Não é o meu desejo, mas acho que a frase anterior demonstra a minha fé na Justiça. Caso perturbador e com um protagonista horrendo, mas é como você disse: Abdelmassih é um doutorzinho de merda escondido atrás de muito corporativismo. Mais fácil a Mulher Gato dar uma lição nele do que a justiça ser feita…

    … Mas ainda tenho esperanças de que o motivo da minha falta de esperança não se realize e esse vagabundo seja preso, no mínimo.

  9. #13 por Camila em 30/08/2009 - 19:19

    O macho deve ser aquele que defende a fêmea.

    André, eu dispenso.
    Um macho vai me proteger de quê, infeliz?
    De outros machos?
    Vlw.

  10. #14 por Camila em 30/08/2009 - 19:19

    E bom, pelo menos eu não uso a palavra “machos” pra me referir à todos os homens, na verdade eu uso “macho” quando quero descrever os homens machistas. Até cito isso no post da visão sobre feminismo, e acredito que a Camila tenha usado nesse sentido.

    Exatamente, Cely.

  11. #15 por J.Manuel em 01/09/2009 - 14:31

    Este é o caso para se escolher entre cortar-lhe os culhões ou fazer-lhe lobotomia ou coloca-lo em prisão perpétua.

  12. #16 por J.Manuel em 01/09/2009 - 14:32

    Estilista pega prisão perpétua por molestar candidatas a modelo.
    Indiano Anand Jon foi condenado a 59 anos de cadeia.
    Ele vestia Paris Hilton e chegou a participar do ‘America’s next top model’.

    Da Reuters
    Tamanho da letra
    A- A+

    Reuters
    O estilista Anand Jon durante o julgamento na segunda-feira (31). (Foto: Reuters)O estilista de celebridades Anand Jon foi condenado na segunda-feira (31) ao mínimo de 59 anos de prisão por ter agredido sexualmente candidatas a modelos, algumas de apenas 14 anos, informou a Promotoria Pública do Condado de Los Angeles.

    O estilista, que até sua prisão, em 2007, vestia a socialite Paris Hilton e a cantora Janet Jackson, foi condenado em novembro passado por 16 acusações, que incluem estupro, agressão sexual e atos obscenos diante de uma criança.

    Depois de negar os recursos de Jon, em que o estilista pedia a realização de novo julgamento, o juiz David Wesley, da Corte Superior de Los Angeles, o condenou a uma pena de entre 59 anos de prisão e prisão perpétua.

    Promotores disseram que os crimes começaram em 2001, quando Jon montou uma empresa de moda através da qual atraía candidatas a modelos a Los Angeles. A polícia se envolveu em março de 2007, quando uma mulher denunciou ter sido sexualmente agredida no apartamento do estilista em Beverly Hills.

    Jon, cujo nome completo é Anand Jon Alexander, nega as acusações. Alegando que há poucas provas concretas dos fatos, seus advogados disseram que as garotas e moças eram pessoas em busca de vingança que inventaram suas histórias ou “provocaram o que aconteceu.”

    Nascido na Índia, o estilista participou em 2003 do programa de TV “America’s next top model” e foi apontado pela revista Newsweek em 2004 como uma das pessoas mais promissoras do sul da Ásia.

  13. #17 por pedro keppler em 09/09/2009 - 0:58

    esse cara é um nojento. não tenho nem o que comentar.

  14. #18 por Elaine Ribeiro em 23/09/2009 - 22:59

    Onde ficavam os outros médicos (anestesistas), enfermeiras e assistentes? Afinal de contas todos deveriam ser intimados. Pois como pode? Eles deixavam vocês sozinhas. Qualquer médico ou médica que precisa mexer ou ver partes íntimas dos pacientes devem SEMPRE estar acompanhados de um(a) assistente, para protegerem médicos e pacientes, é uma questão de ética.
    Os funcionários dele não estranhavam que ele ficava sozinho, sempre, com as pacientes? Eles não estranhavam? E depois quando o médico foi acusado de estupro, eles não ligaram uma coisa à outra?
    Em minha opinião todos eles de uma forma ou de outra foram coniventes com o estuprador.

  15. #19 por Dero em 22/10/2009 - 11:18

    Gostaria que no Brasil a mulheres fossem respeitadas pelas próprias mulheres, mas não é o que vejo. Desde criança, quando o Doca Street matou a tiros a modelo Angela Diniz e, foi absolvido várias mulheres seguravam cartazes com frases que o apoiavam pelo crime. O “monstro do parque” também tem sua legião de fãs femininas, mesmo cometido crimes barbaros. Antes dos homens deixarem de ser “machistas” as MULHERES precisam também deixar de ser. Mulheres mães, muitas vezes fazem diferença entre filhos homens e filhas mulheres…Já presenciei várias vezes e, ouvi vários relatos. Portanto, a discriminação já faz parte do contexto do próprio lar. Quero o Brasil, o mundo livre da violência em todos os aspectos, principalmente dos grupos vulneráveis. No caso particular das mulheres, temos que nos unir, sermos menos competitivas entre nós, começar um movimento de união.
    Quando isso acontecer, seremos fortes e monstros como esse tal médico estuprador e COVARDE pensará várias vezes antes de cometer delitos como esse.
    Não teremos Pimenta da Veiga que matam mulheres sem o minimo de constrangimento…A violência contra a mulher neste país é assustadora…São estupros, assassinatos, agressões físicas e psicológicas, salariasi…Caramba…A luta é grande, mas não impossível de ser vencida…sempre tem um começo…Nos USA para o crime de estupro 59 anos de prisão…Aqui…mata-se e nem sequer fica na prisão…O promotor Igor matou a mulher grávida de 7 meses e pegou só 16 anos de condenação…mas, reduzidoa a 1/3 da pena, daria uns 5 anos…Que diferença!
    Derô

    • #20 por whothehelliscely em 22/10/2009 - 12:50

      Olá Derô

      Você tem toda a razão quando diz que mulheres precisam se unir e acabar com a competitividade, e que vivemos em um país onde a mulher não é respeitada de forma alguma. Mas, lembre-se que essas mulheres que apóiam o machismo muitas vezes são vítimas também, eu não acho que existam “mulheres machistas”, e sim mulheres condicionadas a aceitar o machismo como normal. Por experiência própria, às vezes tudo o que elas precisam é de um pouco de informação e convívio com outras mulheres.

      Bjs

  16. #21 por Gustavo em 19/07/2010 - 12:44

    estuprador tem de ser posto em praça publica…acaba com o problema rapidinho!!

  17. #22 por Artêmis Maria em 12/03/2011 - 1:47

    Prefiro ficar anônima, pois o meu comentário é mais um relato de uma situação que inflige a minha família há anos e continua no maior silêncio. O marido da minha irmã mais velha já tentou abusar de todas as cunhadas (somos 10) e tb de uma cuncunhada. Esta falou para o marido que falou com minha irmã etc etc, mas a minha irmã, mulher desse tarado não acreditou e continua sem acreditar. Quando eu tinha 15 anos, meu pai me pegou beijando um rapaz na rua e queria me tirar da escola, fazer exame para saber se eu ainda era virgem etc. Então me mandou para outro estado (casa do tarado) por uns tempos, lá passei o maior martírio, ele o tempo todo atrás de mim. Um dia me acordei com ele tentando beijar minha vagina e pegar nos meus peitos. Eu tinha que ficar perto da minha irmã a cada minuto por medo. Ainda hoje, mesmo tendo sido operado da próstata, minhas irmãs relataram que ele ficava se aproximando de outra cunhada, que tinha que chamar o filho o tempo todo para se proteger dele. O pior disso tudo, é que ninguém fala para minha irmã mais velha, todas gostamos dela, temos pena dela. E tudo que passamos fica no silêncio e impunidade. Pior mais ainda é esse aperto no coração por deixar as coisas assim. Sei bem do silêncio e da vontade de gritar e vomitar tudo que já passei.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: